Beleza: Ontem e Hoje!

Hoje li uma matéria super interessante sobre o padrão de beleza do passado e o atual. Assunto do qual estou sempre falando aqui no blog de várias maneiras. Acho que é o tipo de leitura aconselhável para todas as mulheres, principalmente aquelas que sem o vintage style. Acrescentei algumas imagens para melhor ilustrar o texto. Confira abaixo:

PS: Coloquei imagens para ilustrar o texto original.


Muitos fatores influenciam no conceito da beleza mundial, que ao longo da história da civilização sofreu muitas mudanças. Das mulheres rechonchudas às magrelas, seios naturais aos turbinados´, rostos limpos e sem cor deram lugar ao ruge, sobrancelhas finas às espessas e bem cuidadas, entre outras foram as mudanças experimentadas nas últimas décadas. Essa transformação no desejo das mulheres para obter um corpo e uma aparência ideais, acompanhando as necessidades e possibilidades de uma época, são explicados pelo cirurgião plástico Erfon Ramos, pela ex-miss Maguary 1956, Fátima Pessoa, pelo coiffeur Gurgel do Amaral e pelo jornalista e crítico de cinema José Augusto Lopes, que revelam como se deu esse fenômeno dentro das suas áreas de atuação.

O Tempo dita os padrões
As feias que me perdoem, mas beleza é fundamental´, escreveu o poetinha Vinicius de Moraes que em parceria com Tom Jobim, ressaltou a beleza de uma moça que ´quando passa o mundo inteirinho se enche de graça´, ao compor ´Garota de Ipanema´, estrondoso sucesso mundial. Os versos da canção exaltavam a beleza de uma adolescente que todos os dias, a caminho da praia, passava diante do bar que os dois bebericavam. ´É a coisa mais linda que já vi passar... Assim, Vinicius e Tom exaltavam a importância da beleza não apenas diante dos olhos de poetas e compositores, mas de uma forma bem mais complexa para toda uma sociedade. Quando ela passa o mundo inteirinho se enche de graça....

Hoje, talvez uma moça como a Garota de Ipanema não fosse musa de jovens compositores. Os padrões de beleza mudam de acordo com as épocas. Os tipos ´violão´, de cintura fina, quadris com polegadas a mais como Marta Rocha, sucesso nos anos 50 e 60, em contraste com as magrelas de pernas de galgo que desfilam pelas passarelas atuais, sequer teriam chance de participar de algum concurso.
Em qualquer faixa etária e de maneira variada, no decorrer dos tempos a beleza continua fundamental. Estar dentro dos padrões de beleza ditados pela sociedade é o desejo, e, na maioria das vezes, o objetivo de vida de muitas pessoas, seja nas características físicas ou na aparência (cabelo, maquiagem e vestimenta). Homens e mulheres não desistem de buscar uma perfeita definição para o ´ser belo´, variável através dos anos dependendo de diversos fatores. Entre eles, estão a evolução dos povos, a mídia, a mudança dos valores e costumes da sociedade, a influência das musas do cinema e da tevê, a moda. Até mesmo as duas grandes guerras mundiais influiram, cada uma à sua época, o padrão de beleza vigente.
Para o médico Erfon Ramos, a mudança do conceito de beleza é, acima de qualquer fator, decorrente de hábitos sociais de uma determinada época e ´a uniformidade desse padrão, que nós diríamos mundial, está em função da globalização dos costumes e dos meios de divulgações atuais, que propiciam a rápida propagação da moda pelos continentes´. Segundo ele, ao observar essas alterações a cada dez anos , pode-se ver nelas o reflexo dos hábitos de um determinado povo naquele momento.
Por exemplo, com a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) o mundo experimentou a extrema vontade de se ´viver o presente´, o que acabou por refletir também no comportamento das mulheres, que assumiram um pouco o gênero ´mulher fatal´.No final da década de 30, com o surgimento das meias finas de náilon, uma sensação na época, o pico da beleza estava em ter pernas longas e bem delineadas. Entre as décadas de 40 e 50, houve uma nova mudança na beleza mundial: o corpo cheio de curvas das ´pin-up ´ - garotas de calendários - chegou ao auge, decorrente, principalmente, do sucesso da inesquecível Marilyn Monroe.
Vedetes
No Brasil, eram as vedetes do teatro rebolado que chamavam as atenções. As formas roliças e generosas que essas moças exibiam, quase sempre dentro de minúsculas peças de roupa, vieram com o fim da Segunda Guerra Mundial (1940-1945), quando destacaram a abundância e a fartura.
Todas essas mudanças foram captadas pelo mundo cinematográfico, como descreve o jornalista e crítico de cinema José Augusto Lopes: ´Nos áureos tempos do cinema, cujo apogeu se situou entre as décadas de 30 e 50 do século passado, uma estrela da tela tinha de enquadrar-se nos cânones clássicos de beleza. Eram rostos perfeitos como o de Rita Hayworth e Ava Gardner, ou as curvas esculturais de Marilyn Monroe e Brigitte Bardot´. Sendo que Marilyn ditou moda não somente no campo estético, mas também no visual, como afirma o coiffeur Gurgel do Amaral: ´Ela ditou moda com pele clara, boca vermelha e delineador bem marcado no estilo gatinho, o cabelo louríssimo (platinum-blonde) acompanhava a mesma linha´.
Magrinhas
Mas com o crescimento do movimento feminista, que culminou com a queima de sutiãs em praça pública, nos anos 60, surgiram as magrinhas ´tipo tábua´, uma tendência que foi se intensificando nos anos seguintes. Foi quando, segundo José Augusto, ´Ursula Andress emergiu das águas no primeiro filme de James Bond, ressaltando suas formas angulosas e um ar agressivo, decretando-se assim o fim da opulência física feminina e do glamour tradicional no cinema.
No campo da estética, Erfon Ramos afirma que também houve repercussão, pois no período pós-2ª Guerra, a preferência estava nos seios grandes. Atrizes, como a sueca Anita Eckberg, tinham como destaque, entre outros atributos de beleza, as mamas grandes. Já nas décadas de 60 e 70, as mulheres com seios pequenos eram veneradas, como por exemplo, Twiggy, famosa modelo inglesa magra como um palito.Assim, a tendência a ´mulher tábua´ atingiu seu ápice na década de 80, com um exacerbado culto à magreza. Foi então que as aulas de aeróbica nas academias de ginástica e a lipoaspiração deslancharam.
Top models
Com a chegada da década de 90, o mundo das passarelas e dos desfiles de moda popularizaram-se e ganharam força total, devido à glamourização encenada pela mídia. Foi quando as modelos milionárias passaram a ser a inspiração e ícones de beleza para mulheres de todo o mundo, bem como aqui no Brasil, as artistas de tevê, que são até hoje consagradas como musas.
Ainda nesse período, outra novidade caiu no gosto feminino, inclusive das brasileiras: as próteses de silicone para seios, antes consideradas cancerígenas, e posteriormente liberadas após inúmeras pesquisas. Nas últimas décadas, outra vez, as mulheres vêm num crescente desejo de ter mamas cada vez maiores.
Quando iniciamos nossa vida profissional, nos idos de 80, era comum colocarmos próteses de silicone em mamas com volumes que variavam de 80 à 120cc. Na década seguinte, as variações já se estabeleciam entre 160cc à 200cc. Atualmente, nós colocamos próteses mamárias com números quase sempre superiores à 240cc´, afirma Erfon Ramos.
Toda essa evolução influenciou também no fascinante mundo das passarelas e concursos de beleza, que hoje permite facilidades às participantes, como cirurgias plásticas, antes proibidas e até motivo de desclassificação. É o que conta a ex-miss Maguary 1956, Fátima Pessoa: Participei da disputa em um clube da cidade, Maguary Esporte Clube, e comparando com os dia de hoje chego à conclusão de que para realçar a beleza contávamos apenas com uma leve maquiagem e as sugestões de parentes e amigos, sem nenhuma experiência, para enfrentarmos uma passarela. Já hoje, tudo modernizado, as candidatas ao título de beleza, orientadas por profissionais competentes nessa área, têm a solução acertada para cada detalhe menos aceito pela comissão julgadora.
A maquiagem, por exemplo, atualmente é uma importante arma feminina para encobrir imperfeições, detalhes indesejáveis e melhorar o visual, como diz Gurgel do Amaral: Na maquiagem atual, cada item usado é uma peça de correção -bases, corretivos, kajal, máscaras, blush, contorno labial, gloss e sombras. A finalidade é camuflar pequenos defeitos e realçar o belo.
E essa necessidade de correção ou disfarce, sentidas pelas mulheres, para estarem mais bonitas, deram ênfase aos especialistas, surgindo um novo segmento dentro da maquiagem profissional. Agora é a era do visagismo. ´Um bom corte, cabelos tratados, pele cuidada e maquiagem bem feita exaltam o belo. Trunfas, apliques, escovas, chapinhas, tranças e até cabelos eriçados para dar volume estão em alta, o importante é a valorização da mulher que sabe o que lhe cai bem´, afirma Gurgel do Amaral.
O Que Eles PensamHoje, na era da bulimia e da anorexia, os homens lamentam a ausência do tipo de mulher predominante no imaginário masculino, com carnes generosas e até mesmo perdoáveis indícios de charmosas gordurinhas e celulites. José Augusto Lopes, Jornalista. Poderíamos, pois, concluir dizendo que o padrão de beleza em cada momento da história reflete, de perto, os ditames sociais vigentes. Erfon Ramos, Cirurgião plástico´Avaliando as diferenças de um concurso de beleza de antigamente com os de hoje, vemos que atualmente eles já não possuem a mesma evidência. Antes as participantes não tinham os recursos de agora. Fátima Pessoa, Miss Maguary 1956´A vaidade no campo de cabelo e maquiagem nestas últimas cinco décadas foi marcada por constantes mudanças, não só na cosmética como nas técnicas profissionais. Gurgel do Amaral, Coiffeur.
Fonte: http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=449141

Então, eu não disse que era uma matéria interessante? =)

Comente com o Facebook:

Um comentário

  1. Pri, em breve irei postar fotos das lojas vitage aqui de Curitiba. Cada loja mais Pin-up do que a outra, então te mandarei algumas fotos para vc postar no(s) blog(s).

    Beijo querida!!

    ResponderExcluir

Muito obrigada pela visita! Deixe sua opinião, dúvidas e sugestões nos comentários. Não esqueça do seu link, responderei todos assim que for possível ♥ XOXO